Reino de K@, 02 de Fevereiro, 15 anos de História

 

kleo - karina - klara - kassia - kyra - karol - kamila e kyran - kátia - kalena - karen - kalía - kmile - kris - karoly - kayana - kapitu - karmen - karísia - karla - kássia - kalini - kora - kamily - kalola - klara - kalissa - kalícia - kazua - kayla - kamaya - kandida - kadyne - kananda - kaíra - kalina - kaleska - kaneda - kaiara - kariane - kathy - katashi - kamila - klea - kamona - kazady - kairê - kaluna - kafira - kihara - kadija - kokah - katherine - kaciara - karmina - kamira - kalíope - klarissa - katucha - kaêda - kamires - kaori - kaylane - karila - kaliza - khamar - kahima - kálida - kalinda - kakau - kasira - katarina - kally - kassandra - kara - kika - kâmala - kiara - kalyne

 

L e i a +

SM sem Pudores

Muito se fala sobre ultrapassar limites e vencer obstáculos. Quando começamos nossa caminhada SM, a maioria das pessoas o faz timidamente, tentando se conhecer melhor. É bem comum que as pessoas no começo da negociação estipulem seus limites - até onde podem chegar. As famosas frases: "Não faço isso" "Não aceito aquilo" são constantemente usadas e aceitas numa relação. 

É natural que os pudores de nossa vida baunilha venham juntos para a relação BDSM. O tempo passa, a confiança vai aumentando e o que tínhamos como certo, já não é tão certo assim. Com o avanço da relação, muitos de nossos desejos íntimos vão sendo desvendados. 

Passamos a nos entender melhor, deixamos a vergonha de lado e vamos descortinando nosso íntimo. O diálogo franco e aberto com o DONO é um fato dos mais importantes.

Aos poucos deixamos que nossas fantasias venham à tona e descobrimos que no BDSM nada é proibido desde que seja consensual. Não existem limites para a fantasia. Não existem limites na realização delas. Se as partes envolvidas concordam porque não vivê-las? Com a estabilidade da relação, nós submissas descobrimos que o que nos importa de verdade é a realização de nosso DONO. Descobrimos que a submissa faz o que Seu DONO quiser por amor a Ele… por entrega plena.

Nesse momento, passamos a perceber que o que nos dá prazer de verdade é tornar possível a fantasia de nosso DONO. Não importa se não curto agulhas - se é vontade Dele e se estou segura e confiante porque não fazer meu DONO feliz? Como submissa não me realizo com a felicidade Dele? É nessa hora que os tabus vão sendo deixados de lado. Pudores não existem mais e tanto submissa como DONO, percebem o crescimento da relação.

Uma verdadeira vivência BDSM é aquela em que juntos - os envolvidos - podem tirar prazer do que antes nem sonhavam. Experimentar sensações que antes nem cogitávamos. Se formos pessoas maduras a fim de viver o que o BDSM permite, porque não ir fundo nos próprios desejos? Será que uma relação onde as práticas sejam sempre as mesmas, onde se sabe exatamente o que vai acontecer e nada muda pode dar prazer sempre?

Se o BDSM me permite viver tudo que fantasio, porque aceitar que os pudores e tabus me contenham e que eu me esconda? Entre os envolvidos, desde que consensualmente, tudo pode acontecer. Nada é proibido ou condenado. Nada é vergonhoso. É como você sair do armário e se redescobrir. E nada mais gratificante do que você tirar a máscara que a vida baunilha te colocou. Ouse! Arrisque! Não se limite!

Por: karla { K@ }

 


  • Negrito
  • Itálico
  • Sublinhado
  • Stroke
  • Citação
  • Smileys
  • :confused:
  • :cool:
  • :cry:
  • :laugh:
  • :lol:
  • :normal:
  • :blush:
  • :rolleyes:
  • :sad:
  • :shocked:
  • :sick:
  • :sleeping:
  • :smile:
  • :surprised:
  • :tongue:
  • :unsure:
  • :whistle:
  • :wink:
 
  • 500 Caracteres restantes